as 5 etapas para resultados incríveis com sua marca pessoal ou corporativa

Aposto uma barra de chocolate Surpresa com card tchubirubi que você sonha com um patrimônio faraônico!

Seja construído por um emprego, ou pelo negócio próprio, o fato é que prosperidade material é uma realização que a maior parte das pessoas buscam.

Mas, por onde começar? Pelo começo. Abraham Maslow, psicólogo renomado por ter elencado as necessidades humanas em forma de pirâmide, onde alcançamos a auto-realização, ilustrou um bom caminho para acessar este conceito de sucesso.

Em um cenário onde as marcas aspiram estar na mente do público como pessoas, e as pessoas tem trabalhado sua imagem como se fossem marcas, não há motivos para deixar de olhar para a psicologia e alinhar conceitos.

Então, se você busca sucesso ao ponto de poder ter uma pirâmide, comece pela pirâmide de necessidades da sua marca. Vem comigo:

 

A 1ª necessidade é se posicionar visualmente. O que isso significa?

Você [sua empresa / trabalho, produto ou serviço] ter um símbolo ou logotipo que traduza o que a sua missão, visão e valores apresentam no mercado.

Somos tentados a criar e ter para nossas ideias de negócios apenas uma marca bonitinha, que parece legalzinha, com aquela cor que [insira nome da pessoa que está acompanhando sua jornada] acha a mais bonita. Quando tratamos de marca pessoal, adicione aqui o tipo e qualidade de fotos que utiliza em seu perfil.

Mas, será que agradar seu público-alvo é achismo? Não, não é 🙂

Quando sua marca não é revestida de significado, desde o seu nascimento, tende a precisar de altíssimos investimentos em tempo e comunicação para convencer o público de que é a melhor escolha para sua vida ou dor a resolver.

Quem nasce com propósito claro, começa um passo à frente para chegar longe.

E ai: sua marca foi feita no achismo ou com significado? Aliás, você tem uma marca?

A 2ª necessidade é uma voz correta. Eita! Como uma marca fala?

Depois de ter uma marca que reflete exatamente o que seu negócio faz de diferença na vida das pessoas, o foco vai para:

  • O tipo de linguagem que utiliza [coloquial, extrovertida, formal, séria, engraçada, em 3ª pessoa, em 1ª pessoa, etc.]
  • O alinhamento que existe em como escreve sobre si, e como responde aos públicos envolvidos com ela;
  • A flexão desta expressão em todos os meios utilizados: do don@ da marca à assinatura de e-mail;
  • Como essa voz se reflete visualmente: design das imagens, tamanho e formato dos conteúdos publicados, etc.

Quanto mais unidade na forma como o cliente ouve a sua empresa, mais fácil que ele lembre [e escolha você!], especialmente num cotidiano repleto de distrações e marcas brigando [e investindo!] pela sua atenção.

 

No meio da pirâmide, posicionamento. Minion ou dinossauro?

Depois que a sua marca já expressou o que é, e já compreendeu como vai falar, hora do #comofas.

Talvez você confunda com slogan, mas posicionamento é a tradução, em poucas palavras, da sua missão, visão e valores, que orienta os objetivos que a empresa perseguirá para entregar ao seu consumidor.

É a tradução verbal da promessa que faz sua marca não ser apenas um minion no mercado [fácil de ver, difícil de distinguir]. Para ser como um dinossauro laranja [singular, memorável], é vital que o seu cliente entenda o que você pretende entregar a ele.

O posicionamento deve ser estendido ao nome dos seus produtos, à comunicação dos seus serviços, e, dependendo de como você deseja atuar, também pode ser parte do slogan [frase de comunicação] daquela marca.

 

Comunicação: é onde o iceberg da marca fica visível.

Quase no topo da pirâmide, é onde a maioria das marcas/profissionais começam [e falham miseravelmente]. Até porque é a primeira parte visível do “iceberg da historia” de  uma marca / empresa.

A comunicação de um produto ou serviço deve acontecer após você saber exatamente o que deseja para a vida da sua empresa/marca pessoal, e que dor ela é capaz de resolver, qual a principal razão pela qual ela existe e deve ser escolhida.

Grande parte dos empreendedores tropeçam aqui porque saem desesperadamente atrás de dinheiro usando o que mais tem à disposição no mercado.

Profissionais de comunicação, mkt digital, publi, ávidos pelo seu dinheiro, dizem ter a solução mágica para colocar mais clientes dentro da sua loja [ou mais seguidores nas suas mídias sociais] e mais dinheiro no seu bolso. Criam slogans como escrevem “bom dia, tudo bem?”.

Compram espaços e preenchem os intervalos das mídias tradicionais e os pixels pagos dos meios digitais com várias mensagens que dizem nada com coisa alguma. Usam marketing de conteúdo com um grande polishop/shoptime tudo-ao-mesmo-tempo-e-agora [agora!! Não perca!!!onze11] . E te obrigam a colocar muito mais dinheiro que o necessário para obtenção de alguns resultados.

 

Tentam ensinar você a fazer por sua conta e risco, quando deveria estar focado em ter produtos e serviços excelentes, ao invés de formar-se em um conhecimento que vai ter pouca serventia caso não possua algo único para ofertar aos demais.

Já o topo é só para quem realiza.

Na segunda ponta visível do iceberg da história de uma empresa, a realização.

O resultado [financeiro e pessoal] de todos os esforços anteriormente aplicados. O sucesso de planos e estratégias para:

  • Um produto ou serviço excelente, que resolve uma dor ou problema do seu público.
  • Revestido de um significado forte.
  • Que transmite uma mensagem de humanos para humanos.
  • Assinado por uma marca empática.

Percebeu como percorri a pirâmide de cima para baixo?

É esse o caminho quando nos deparamos com o sucesso. Tudo muito [bem] feito, gerando resultado.

O objetivo traçado no começo da jornada, cada vez mais vísivel. A segunda palavrinha mágica ficando cada vez mais próxima de tornar-se ação [escalabilidade].

Poderia chamar isso tudo de branding, mas é um pouco mais.

Conquistar um lugar privilegiado na mente das pessoas, e ser a 1ª pessoa/coisa lembrada ou dita quando se pensa em determinadas categorias, Não é um monstro de 7 cabeças (talvez 5, rs!).

Mas, são etapas básicas para você dar sustentação real para todo e qualquer negócio que queira empreender.

Seja na construção da marca pessoal para alcançar objetivos íntimos, ou para colocar de pé uma empresa que faça história, são princípios básicos de organização e autoconhecimento para usar seu ativo mais valioso – o tempo – na transformação do tempo das outras pessoas em algo mais rico. E claro, gerar riqueza material e alimentar o propósito que te satisfaz.

E  ter mais uma pirâmide para chamar de sua e enchê-la de chocolate [Surpresa ou não].

Um comentário em “0”Acrescente o seu comentário ↓

Deixe uma resposta